/>

Por que investir em mulheres?

Apesar das dificuldades impostas pelas crenças da sociedade e falta de investimento em negócios femininos, mulheres continuam triunfando por conta própria

 

A pandemia do vírus Covid-19 ameaçou o mundo de muitas maneiras, fez empresas declararem crise financeira e teve como consequência o aumento disparado do número de desempregados, onde as mulheres acabaram sendo as mais atingidas. Uma das saídas para pessoas que perderam seus empregos durante este período foi o empreendedorismo em pequenos negócios. Felizmente, governos e instituições de todo o mundo estão enxergando no empreendedorismo feminino uma alternativa para superar essa crise.

 

 

De acordo com os dados do estudo Global Entrepreneurship Monitor 2016, em parceria com Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae) e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ), mulheres empreendedoras são a maioria quando envolvidas com negócios de até 3,5 anos, com 15,4% da taxa, contra 12,6% dos homens. Apesar disso, os estereótipos enraizados sobre a divisão de papéis entre o que homens e mulheres devem fazer para ganhar dinheiro ainda se fazem presentes. A dedicação a tarefas domésticas, cuidados com os filhos e casa tiveram grande papel durante a quarentena e teve grande participação na redução das mulheres à frente de seus próprios negócios durante o ano de 2021. Em 2019, as mulheres empreendedoras representavam 34,5% dos 25,6 milhões de donos de negócios no Brasil, de acordo com pesquisa feita pelo Sebrae. Já no terceiro trimestre de 2020, o empreendedorismo feminino perdeu 1,3 milhões de mulheres.

 

 

As consequências da crise financeira mundial destacaram ainda mais a desigualdade de gênero presente no mercado de trabalho. Enquanto as mulheres foram as mais atingidas pelas demissões em massa e falência de negócios, a razão deste dado é a fragilidade dos lugares que essas mulheres conseguem emprego e falta de oportunidades de empresas maiores e melhor estabelecidas. Segundo especialistas, 78 mil postos no mercado formal foram fechados em 2020 para mulheres contra 230,3 mil postos abertos para homens. É exatamente pela desigualdade escancarada no mercado de trabalho formal que mulheres também são a maioria da população que se torna empreendedora por necessidade com 44%, de acordo com o Sebrae. Este dado ainda é destacado pelos 38% das mulheres que tem seus empreendimentos como fonte de renda principal da casa, de acordo com o relatório de atividades do Instituto Rede Mulher Empreendedora (IRME) de 2020.

 

 

E da mesma forma que as empreendedoras são as que mais enfrentam diversos tipos de obstáculos, falta de espaço no mercado, dificuldade para conseguir crédito em banco e encontrar investidores, elas também são a solução para superação da crise, diminuição da desigualdade de gênero e a chave para a prosperidade financeira mundial, porque mulheres tem maior escolaridade, ou seja, estudam mais que os homens e tendem a se ajudar. De acordo com o IRME, 60% das empreendedoras tem pelo menos metade de suas equipes compostas por mulheres, 18% tiveram aumento no faturamento durante a quarentena no ano de 2020 e 88% afirmaram desejar continuar empreendendo em seus negócios. Como consequência, a procura por cursos de capacitação aumentou entre elas. Em dezembro de 2020, quando a série Trilha Empreendedora, projeto desenvolvido pela Rede Mulher Empreendedora (RME) e pelo IRME em  parceria  com  a  White  Martins  e  a  United Way Worldwide, foi lançada, os vídeos rapidamente alcançaram 3.209 visualizações. 

 

 

Desta forma, para que instituições financeiras, setor privado e governos ao redor do mundo possam ver os benefícios do investimento em mulheres empreendedoras, é necessário que o investimento em capacitação seja mandatório, assim como a equipação das empreendedoras com aparelhos adequados para que estas possam ter o suporte necessário para comandar seus negócios, e  coleta de dados separada por gênero, para que as conquistas femininas estejam mais visíveis.

 

 

E é com esta visão, de que as mulheres podem representar o futuro financeiro do país, que a RME está lançando o RME Conecta 2021, evento que trabalha para que pequenas empreendedoras encontrem grandes empresas investidoras a fim de firmarem parcerias. Através deste programa, a empreendedora receberá acesso ao curso gratuito e online de Vendas B2B, onde ela vai aprender sobre ambiente corporativo, planejamento financeiro e muitos mais. Além disso, após concluir o curso e assistir ao Café B2B, quadro transmitido no canal do YouTube da RME e disponibilizados gratuitamente para todas, a empreendedora passará por avaliação para saber se seu negócio tem capacidade de fornecer seus serviços para grandes empresas e receberá certificado RME Conecta. É assim, trabalhando para um futuro mais justo e acolhedor, que a Rede Mulher Empreendedora segue buscando investimento para mulheres.

Karina Souza Quenis é jornalista. Seu Trabalho de Conclusão de Curso foi uma pesquisa crítica acerca do olhar que a grande mídia tem sobre corpos femininos negros e as narrativas sobre eles construídas. Apaixonada por conhecimento e curiosa para entender mais sobre o mundo, segue estudando sobre comportamento, colorismo e mídia.

s;