/>

Papo Empreendedor

*Por Junia Nogueira de Sá

 

Perto de metade dos homens pensa que quando apenas 1 de 10 altos executivos em suas empresas é uma mulher, isso já é suficiente. E, surpreendentemente, um terço das mulheres concorda. Quando tanta gente vê que na alta liderança há 10% de mulheres – que são, vamos lembrar, metade da população – e pensa ´Ah, já está bom assim`, esse é um sinal de que estamos muito confortáveis com a situação.

 

A conclusão é de Sheryl Sandberg, a COO do Facebook que ficou (ainda mais) famosa depois de escrever um livro (Lean In) e lançar uma organização (LeanIn.Org) que joga luz sobre as diversas questões da igualdade de gêneros no trabalho. Ela se apoia na edição 2017 do estudo Women in the Workplace feito pela LeanIn.Org e a McKinsey&Co. nos Estados Unidos com 222 corporações que empregam 12 milhões de pessoas, e faz questão de declarar o seu desconforto com alguns achados.

 

“Por exemplo, o estudo mostra que o avanço das mulheres está ficando mais lento nos últimos anos – o que pode, sim, ser um efeito do “Ah, já está bom assim”. E eu acrescento: certamente é um sinal de que as empresas estão falando mais do que fazendo nesse campo.”

 

Não deve haver uma única grande corporação no planeta, hoje, que não expresse sua adesão à ideia de que a igualdade de gêneros é importante para o futuro do negócio. De maneira retumbante até. Mas daí a passar para a prática, mostram os números, está sendo mais complicado do que parecia ser.

 

Temos de ser muito realistas: acontece que toda corporação é feita de gente, e gente tem convicções. Tem preconceitos, crenças, valores, ideias e um jeito de olhar o mundo que já dura algumas gerações às vezes, e é muito difícil de mudar – ou atualizar.

 

Uma grande corporação, e não poderia ser diferente, pulveriza o poder de decisões cotidianas por diversas camadas de sua estrutura. O anúncio de que agora a igualdade de gêneros é um princípio inegociável pode vir (e vem) de cima, mas quem lida com o dia-a-dia são gestores que, com base nas suas convicções, tomam as tais decisões cotidianas. E, muitas vezes sem se dar conta, geram situações em que as mulheres passam a disputar uma corrida de obstáculos ao lado de homens que vão avançar sem eles rumo ao topo.

 

“Tem mais, ainda: 15% dos homens ouvidos no estudo foram francamente honestos ao declarar que, para eles, a igualdade de gêneros dentro do ambiente de trabalho significa menos oportunidades de subir na carreira. (Não quero nem pensar naqueles que não tiveram coragem de assumir isso para o entrevistador…).”

 

Mudar essa realidade dentro das corporações depende de programas e ações cujo objetivo não é aparecer bem na foto, mas reciclar a cabeça, a atitude e, no fim das contas, as convicções de quem toma as decisões cotidianas que podem criar ou remover os obstáculos. E isso vai muito além de fazer um evento badalado, assinar um compromisso público de peso, fazer uma campanha bonitinha. Requer tempo, foco, estratégia e muita, muita convicção (ela, de novo) de que é o certo a fazer.

 

Ou vamos continuar convivendo com o “Ah, já está bom assim”.

 

Está bom pra você?

 

*Jornalista, consultora de comunicação estratégica e membro do conselho de Rede Mulher Empreendedora, passou por redações de grandes veículos de imprensa, dirigiu a área institucional da VW, Telefônica, Grupo Abril e a Comunicação do Governo de SP. É especialista em reputação e imagem, gestão de marcas e liderança feminina.

s;