Como Anda a Saúde Financeira da Sua Empresa?

*Jaqueline Guerra 

Diariamente as empresas enfrentam dificuldades na gestão financeira, responsável por mantê-las em pleno funcionamento, ela é parte crucial para as tomadas de decisões. Neste artigo faremos uma reflexão sobre a importância de acompanhar de perto e todos os dias a saúde financeira da sua organização. Uma empresa doente financeiramente pode sofrer consequências graves, diminuindo sua capacidade competitiva diante do mercado, perdendo seu capital intelectual para os concorrentes, perdendo sua credibilidade diante de seus clientes e podendo chegar a “morte”, ou seja, o fechamento da empresa. 

O que ocorre na maioria das empresas é uma ausência muito grande de informações e na maioria dos casos não existe o mínimo de controle de suas finanças. Desta forma fica difícil tomar qualquer decisão em relação a investir ou buscar alternativas para ampliar o negócio.

Diante destes cenários, queremos chamar a atenção para alguns aspectos importantes que devem ser acompanhados de forma permanente pelos Administradores/Gestores das empresas, para que possam manter suas atividades de forma saudável e sustentável economicamente. Diagnosticando e controlando sua saúde financeira tempestivamente, a empresa poderá se posicionar melhor no mercado altamente competitivo, onde os melhores produtos, serviços, qualidade, atendimento, gestão e preço fazem toda a diferença.

Listamos a seguir alguns aspectos que precisam de atenção especial:

 

Fluxo de Caixa

O que ocorre na maioria dos casos é um descontrole do fluxo de entrada e saída de dinheiro da empresa.

 O fluxo de caixa tem que ser acompanhado diariamente, para que assim a empresa consiga estimar seu ponto de equilíbrio, e trabalhar para gerar um fluxo liquido positivo.

 

Despesas Variáveis e Fixas

Estar atento às despesas variáveis e fixas da empresa, acompanhar todos os lançamentos.  Desta forma será possível controlar os pagamentos e analisar se as receitas (faturamento) que estão entrando no caixa da empresa serão suficientes para cobrir as despesas e obter lucro no final de cada mês.

As despesas dos sócios não devem ser misturadas/ lançadas com as despesas da empresa.  Mesmo que a empresa pague as contas pessoais dos mesmos. Os sócios devem estipular um pró-labore mensal que deve ser depositado em contas devidamente separadas.

 

Capital de Giro

 É a quantia de dinheiro que a empresa precisa reservar para dar continuidade a suas operações ao longo do tempo, seja para aquisição de bens, estoque ou para as despesas operacionais. Se a empresa por algum motivo não vender ou receber durante um determinado período, é o capital de giro que irá financiar suas despesas fixas, variáveis, folha de pagamento, entre outras, evitando assim a paralização de suas atividades.

Portanto, administrar o Capital de Giro da empresa significa avaliar o momento atual, ou seja, as faltas e as sobras de recursos financeiros e os reflexos gerados por decisões tomadas em relação a compras, vendas e o fluxo de caixa.

Inadimplência

É preciso muita atenção nesta situação dentro da empresa, pois a inadimplência tem que ser devidamente acompanhada pelo financeiro.  Deve ser analisada a liberação de crédito, quantidade de dias de vencimento de cada título, prazo médio de cobrança do seu cliente em relação ao prazo médio de pagamento aos seus fornecedores. Será preciso estipular um prazo de recebimento para seu cliente, caso contrário à empresa pagará seus fornecedores com atraso gerando multas e juros. Quando se tem uma inadimplência alta você está financiando o seu cliente e assumindo os custos.

Antes mesmo de tomar uma atitude de colocar o nome do seu cliente no serviço de proteção ao crédito, entre em contato, negocie e mostre a ao mesmo que tem respeito por ele e que quer negociar para que ambos não saiam perdendo.

 

Custo da Mercadoria Vendida

Importante avaliar como estão sendo feitas as compras e o custo da mercadoria vendida, ou seja, avaliar se as margens estão de acordo com os padrões estabelecidos pela empresa. Acompanhar as negociações com os fornecedores, os preços praticados e os prazos antes mesmo de efetuar uma nova compra. Negociar descontos e prazos é fundamental e ajuda na gestão financeira da empresa. Uma boa compra é uma excelente venda.

 

Juros

Todo cuidado é pouco para não entrar em uma captação onerosa de recursos financeiros, pois geralmente os juros são altos e muitas empresas por não terem capital de giro acabam por optar por um financiamento bancário de capital de giro. Porém, antes mesmo que isso aconteça, verifique se não poderá buscar este recurso com um sócio ou parente próximo, com uma taxa de juros menor que as instituições bancárias. É preciso ter cuidado também para não entrar nos juros do cheque especial ou cartão de crédito, já que estes dois são ainda mais custosos que os empréstimos bancários voltados para a cobertura do capital de giro.

Queremos alertar com estas informações que cada empresa deve parar e observar ainda este ano como anda a sua saúde financeira. Faça o mais breve possível o check up e tenha informações suficientes para entrar o ano de 2016 com o diagnóstico da sua empresa em dia.

 Assim o empresário estará mais preparado para enfrentar algumas “viroses” que estão previstas para acontecer no país ao longo do próximo ano.

 Contato no e-mail: jaqueline@grupomultiplyconsultoria.com.br

Jaqueline Guerra

Formada em Administração de Empresas, MBA em Gestão Empresarial – FGV; Formações específicas em “Como Gerenciar em Pequenos e Médios Negócios” e “Consultoria Organizacionais” ambas pela Fundação Getúlio Vargas – FGV;

Embaixadora da Rede Mulher Empreendedora

Proprietária e Consultora de Gestão da Unidade Franqueada da Multiply Consultoria – Unidade Vitória-ES

s;