taxi2 />

Não existe o “de graça” – alguém sempre paga a conta

*Por Valéria Vicenti
 
Não existe o “de graça”. Alguém sempre paga a conta, e, na maioria das vezes, é o próprio negócio. Não existe o caro, o barato, a concorrência se você entender muito bem qual será a melhor experiência que você pode oferecer, que vai ficar gravada na memória e compartilhada infinitas vezes pelo seu cliente!
 

A criatividade do empreendedor para conseguir no mínimo manter firme e forte a sua fatia no mercado, é um dos fatores que deve impulsioná-lo todos os dias. Fazer o melhor não é luxo, desejo ou necessidade, é sobrevivência, genialidade, é acreditar que se pode acordar ainda melhor do que se deitou. E com essa missão segue de mãos dadas o quanto é real o valor cobrado pelo seu produto ou serviço, o quanto tudo  está sendo considerado na sua matriz de custo, no seu preço final. Nada deve ser de graça, pois nada chega de graça, e tudo que agrega valor deve ser considerado no valor final do seu produto.
 

Importante ressaltar o quesito “agrega valor”. Vamos abrir um espacinho e destacar: desperdícios, retrabalhos, mão de obra ociosa, horas extras, fornecedores não qualificados ou sem preços justos encarecem absurdamente seu produto e são itens que dificilmente serão inseridos no preço. Traduzindo: são perdas que fazem com que seu lucro seja reduzindo desnecessariamente. Atenção nestes quesitos! 
 

Atualmente na China temos uma “guerra” entre Táxi, Didi (o nosso Uber Brasil), bikes, moto elétricas, patinetes elétricos, carros compartilhados, transporte público (que funciona), pelas ruas da cidade. O deslocamento não pode ser o único serviço prestado, pois esse qualquer um faz, então solução definida por alguns taxistas foi simples – mas um sucesso de bilheteria: oferecer experiências, não apenas viagens.

 

Os taxistas chineses estão transformando o carro em um salão de massagem móvel e loja de conveniência. Aqui em Chengdu, um total de 140 táxis equiparam os assentos com almofadas de massagem. Os passageiros podem desfrutar de uma viagem com serviço de massagem, que custa aproximadamente 3RMB (R$1.5) por 5 minutos, 5 RMB (R$ 2.5) por 12 minutos e 8 RMB (R$4) por 20 minutos. E se no trajeto pintar aquela fominha, não se preocupe, estão instaladas na parte de trás do assento do condutor, uma mini loja de conveniência em movimento. Nada de graça, nem a água, mas tudo oferecido e servido com glamour, organização e preços competitivos. Tudo experiência a ser vivida, a ser compartilhada no decorrer de uma simples viagem de táxi. Longa ou curta, não tem importância, o importante é o diferencial!
 

Então vamos pensar fora do quadrado! Pensar como melhorar nosso produto e serviço agregando valor, experiência e cobrando por isso – seja a água, o café, o a mais, que é reconhecido, que tem custo e boleto -Vamos acreditar que muito do nosso resultado depende só da nossa vontade em agir, da nossa criatividade e inspiração, de nos colocar no lugar do nosso cliente e sentir tudo que desejaríamos que nos fosse oferecido para nos mantermos fieis às marcas escolhidas! Vamos saber o custo de cada item, de cada passo do seu serviço ou produto, para assim ter a certeza do preço final.

 

Valéria Vicenti, Embaixadora Rede Mulheres Empreendedoras (RME) na China, Correspondente e Mentora do clube fechado curitibano, Clube da Alice. Engenheira, mais de 20 anos de experiência executiva em gestão de pessoas e processo em empresas multinacionais do ramo automobilístico e em seus empreendimentos. Entusiasta por empreendedorismo e pela disseminação do conhecimento, feliz por estar tendo a grande oportunidade de aprender com a beleza e história da arte e cultura de um pais que não dorme, não para, que nos encanta, que cresce e inova a todo o instante.

s;