RH />

Por que a força de uma empresa está no RH?

Por Leiza Oliveira, CEO e diretora educacional da rede Minds Idiomas
 
Rumores, como os que assistimos nos noticiários brasileiros, da minhoca no hambúrguer, a “morte” do Paul McCartney, são exemplos das histórias falsas com as quais as empresas têm de lidar pelo menos uma vez por semana. Além dos boatos, as companhias enfrentam o desafio de engajar e reter os seus talentos. Até 2025, 75% do mercado de trabalho será composto pelos millennials, uma geração tecnológica, que compartilha informações, porém que tende a trocar de empresa rapidamente.
 
Neste contexto, estabelecer um propósito na empresa e engajá-lo aos funcionários é o que garantirá a transformação digital no seu negócio e a sinergia entre os valores dos colaboradores e o clima organizacional. E é nessa parte que os profissionais de Recursos Humanos se tornam essenciais. Simplificar os processos de RH e motivar o quadro de funcionários são lições que as instituições precisam aprender.
 
De olho nos líderes das empresas
Uma das principais responsabilidades da área de Recursos Humanos é ter atenção aos gestores. Líderes ambíguos tendem a não dar sentido à sequência de suas decisões. Por isso, é importante dar treinamento aos que serão multiplicadores.
 
Empoderar os colaboradores
Após a atenção dada aos líderes estes devem “empoderar” os profissionais, ou seja, é preciso estabelecer foco no que cada um deve cumprir até o final do dia. Entretanto, a ideia das empresas hierarquizadas em que cada funcionário deve executar apenas aquela função já não agrega nem para o indivíduo e nem para a inovação. Logo, deve haver um equilíbrio em que seja possível para esse funcionário conseguir cumprir as suas atividades, mas que tenha tempo e um canal para dar algo novo à empresa. Pode ser uma ideia, ajudar um colega de outro departamento, enfim. A criatividade vai vir para esse indivíduo se a empresa apoiá-lo a “sair da caixa”. E isso é papel do líder e do RH.
 
Resultados X Ferramentas
Muitas empresas esperam resultados sem fornecer os meios para que a operação aconteça. Investir em bons profissionais de Recursos Humanos pode garantir que a comunicação entre líderes e funcionários flua melhor, o que tornará essa situação mais rara. Por exemplo, um bom profissional de RH, sabendo das necessidades tecnológicas da empresa, atrairá bons funcionários em TI. Com tecnologia, oferecemos boas ferramentas para que os colaboradores possam exercer as suas funções de maneira satisfatória.
 
Os boatos surgem pela busca de explicações
Os boatos acontecem por dois motivos: nós, seres humanos, temos um desejo de conhecer e entender as circunstâncias que estamos vivendo. Já é algo inerente. Logo, tendemos a questionar, ouvir histórias, e interpretá-las. O segundo motivo é que essas circunstâncias são mais agravadas nos momentos de decisão de uma empresa. Que podem envolver uma fusão, demissões, contratações, expansão, entre outros. Assim, criar um canal em que os colaboradores possam fazer perguntas, tirar as suas dúvidas, elogiar, e criticar sem represálias pode garantir a diminuição desses boatos.
Uma boa dica é sempre responder aos questionamentos com frases afirmativas. Não se deve negar os boatos, pois isso atribui força a essa informação errônea que está circulando. Responda com uma frase afirmativa no contexto. Dessa forma a empresa garante um bom clima e ainda não perde dinheiro.
 
Respostas rápidas e tutoriais
Você, empreendedor, já criou um canal entre a área de Recursos Humanos e os colaboradores. Agora vem a última dica: responder em tempo hábil. Ou seja, não adianta abrir um canal e não dar um retorno às dúvidas dos funcionários. Lembre-se que quanto mais rápido a área de RH responder à pergunta, menor a chance de se criar um boato. Outra lição é criar um canal para distribuir conteúdos e valores da empresa. Isso engajará as pessoas.
 
Leiza Oliveira é especialista em carreiras e CEO do grupo Minds Idiomas

s;