Conceitos de finanças para empreendedoras iniciantes

finanças (1)

Nós da RME sempre batemos na tecla que, antes de qualquer coisa, a empreendedora deve pensar no planejamento financeiro de sua empresa. Não precisa ser nada mirabolante, cheio de conceitos e números, nem tirar nada do bolso, caso ainda esteja começando o seu negócio. O ponto é: não deixe de fazer planejamento!
 
Em nossa pesquisa “Quem São Elas”, constatamos que 14% das empreendedoras não realizam nenhum tipo de controle financeiro. Para Luiza Trajano, presidente da Magazine Luiza, esse número é fruto de um pensamento coletivo, já instaurado na sociedade, de que mulheres não são naturalmente “boas” com contas, e isso deve ser refutado. “É coisa que colocaram na nossa cabeça, e NÃO é verdade. Você tem que desenvolver seu próprio raciocínio”.
 

Para provar que pensar o básico sobre finanças não é um bicho de sete cabeças, separamos 5 conceitos para você começar hoje mesmo:
 

O Capital Inicial
 

Esse é o momento para começar o empreendimento com o pé direito; entretanto, por planejarem mal essa etapa, muitas empresas se sentenciam a dívidas muito antes da inauguração. O cálculo do capital inicial, isto é, o investimento inicial do negócio, deve levar em conta um estudo cuidadoso do mercado que será explorado, bem como os recursos essenciais para dar inicio às atividades.
 

São calculados desde itens do ativo, como mercadorias, máquinas e instalações, até despesas iniciais, como o marketing de inauguração. Muitos especialistas recomendam também a constituição de reservas de contingência para subsidiar possíveis despesas futuras (como o pagamento do FGTS de funcionários no caso de demissão pela empresa), bem como a formação de um capital de giro.
 

Controle rígido: Os Fluxos de Caixa
 

Ter o controle dos Fluxos de Caixa é uma medida fundamental para todo empreendedor. É através desse mecanismo que se torna possível a mensuração das entradas e saídas de recursos financeiros em um determinado período e, desta forma, saber se a empresa tem condições para cumprir ou assumir obrigações (empréstimos ou parcelamentos feitos com fornecedores), verificar se há recursos para novos investimentos, calcular a parcela de mercadorias que poderão ser adquiridas a vista, as disponibilidades para pagar despesas fixas (ex: aluguel, salários e limpeza), dentre outras utilidades.
 

Os Custos Fixos e Variáveis
 

Os Custos Variáveis são todos aqueles que tem seu valor atrelado ao nível de produção, isto é, quanto mais se produz, mais são gerados. É o caso de um lojista que oferece comissão para seus funcionários, por exemplo. Quanto mais venderem, mais alta será a comissão. Já os Custos Fixos são aqueles que independem do volume de produção da empresa. Eles vão ocorrer mesmo se não houver produtividade. Abrangem salários, aluguel, limpeza, dentre outros.
 

É importante identificar esses dois tipos de custos para definir, por exemplo, qual deve ser o valor cobrado pelo seu produto e quais custos são indispensáveis para dar continuidade ao seu negócio.
 

Margem de Contribuição (MC), um cálculo fundamental
 

Saber calcular a Margem de Contribuição (MC) é essencial para descobrir o lucro bruto das vendas. É a diferença entre a receita gerada pelo empreendedor e o Custo Variável de produção. Por exemplo, se João tem uma receita mensal de 400 reais com a venda de cachorros-quentes, mas gasta 150 reais para produzi-los, a Margem de Contribuição será de 250 reais. Descobrir esse valor é essencial para definirmos o Ponto de Equilíbrio da nossa empresa, conforme veremos a seguir.
 

A superação do Ponto de Equílibrio (PE)
 

O Ponto de Equilíbrio (PE) é o volume de vendas que o empreendedor precisa fazer para pagar todas as suas contas fixas em um determinado período. Por exemplo, se meus custos fixos (salários, aluguel, etc.) somam 1.000 reais mensais e cada venda feita gerar uma Margem de Contribuição de 10 reais, precisarei vender 100 itens no mês para atingir o Ponto de Equilíbrio. Com esse valor em mente, o empreendedor pode definir metas de vendas e, se for o caso, até aumentar o preço dos seus produtos.
 

Fonte: QuickBooks

s;